quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Design Inteligente


Deixo-vos uma palestra do Professor John Walton.
Está em formato MP3 (Inglês), no final do artigo do link abaixo e entitula-se "Porque Deus não permanece morto?".
Talvez traga respostas a algumas das vossas questões.
Caso não consigam abrir, posso enviar por mail.

3 comentários:

Pedro disse...

Começar uma palestra por enumerar o currículo académico não é, na minha opinião, uma boa estratégia. Apesar de não provar absolutamente nada, pode induzir os ouvintes a ter de aceitar essas ideias a priori devido ao currículo académico do prelector. A mim importa-me mais discutir as ideias propriamente ditas do que a autoridade de quem as dá.

Como exemplo, vejam este impressionante currículo:

Tereza Guerra, é licenciada em Filosofia pela Universidade de Lisboa. Possui pós-graduações na área em Educação, Psicologia e Filosofia. Adquiriu o grau de Mestre em Ciências da Educação pela Faculdade de Ciências de Lisboa. Actualmente encontra-se a concluir a sua Tese de Doutoramento sobre o tema: Educação de Crianças Índigo.

Ao mesmo tempo a senhora é "Kin 212: Humano Auto Existente Amarelo" e proclama a existência de Kryon, uma entidade extra-física do Serviço Magnético que tem por missão alterar o alinhamento magnético do nosso planeta e elevar o planeta a um nível vibratório superior*.

http://www.casa-indigo.com/

Voltando ao artigo, mencionar que um ateu mudou de ideias leva os menos crentes a fazer imediatamente a pergunta: "Por cada ateu que mudou de ideias, quantos teístas se tornaram ateus?"

Para finalizar, quero dizer que é uma pena não haver mais comentários. Fico sem saber se o que disse anteriormente está totalmente certo, não havendo forma de argumentar contra, ou se é um completo disparate, não merecendo sequer um único reparo.

Tenho para mim que a razão é não querer discutir ideias, o que encaixa na minha ideia do criacionismo - um conjunto de crenças e subjectividades que não estão sujeitas a serem postas em questão.

Sendo assim, não faz sentido nenhum criar um blog, que não é mais do que um espaço para discutir ideias. Faria mais sentido criar uma simples página informativa. Tal como o link deste post: trata-se de uma página que não é possível comentar ou questionar o que lá está escrito.

* Esta do "nível vibratório superior" deve ser a tentativa de aumentar o número de sismos na Terra.

Pedro disse...

Só falta o Rodrigo...

Ora aqui está o que sempre tenho defendido. Uma coisa é a crença, outra é a razão.

Aparentemente, o criacionismo não é rejeitado apenas pelos que não acreditam em Deus. O próprio Vaticano, em comunicado oficial, acaba de admitir ser contra o criacionismo, isto é, contra o uso do Genesis como prova científica:

http://www.newscientist.com/article/dn14751-vatican-says-it-does-not-owe-darwin-an-apology.html?DCMP=ILC-hmts&nsref=news4_head_dn14751

Agora a minha opinião.

Trata-se de uma atitude racional e correcta por parte da Igreja Católica.

Ambas as visões, religiosa e científica, têm de coexistir e não se devem sobrepôr. Uma visão está no plano espiritual e subjectivo e a outra está no plano material e objectivo.

As duas visões só poderão coexistir caso não se sobreponham. Não é lícito a ciência dizer que oração tem de ser analisada e testada, nem é lícito a religião esperar que a ciência adapte as suas conclusões áquilo que prega.

Se o plano subjectivo estiver em total desacordo com o plano objectivo, as pessoas passarão a viver num mundo completamente estranho, pois o que vêem será antagónico ao que acreditam. O mundo seria então um conjunto de apáticos, desacreditando em tudo o que vêem, incapazes de ter qualquer atitude activa perante o Mundo, restando-lhes apenas esperar pela morte.

Pedro disse...

Demasiada influência americana... Tem de ter uma atitude mais crítica quanto à globalização da cultura. Repare nisto, Rodrigo:

Some other Christians, mostly conservative Protestants in the US, read Genesis literally and object to evolution being taught in biology class in public high schools.